terça-feira, 25 de outubro de 2011

Se eu morrer de salto alto...

Vivo uma vida cheia de emoções e perigos. Já quase morri várias vezes. Quase morro pelo menos uma vez por dia. Duas quando estou gripada ou ferida.
Depois de já ter agüentado pelo menos duas gripes, três ferimentos mortais e algumas tentativas de envenenamento, namorado aprendeu.

- Amor, se eu morrer...
- Já sei, já sei... Cremar, não enterrar. 

Ontem eu estava ferida. Por um motivo de mulher-bicho-besta, resolvi pôr o par de sandálias de saltos altíssimos que - coloquemos dessa forma - peguei emprestado da minha irmã. Aqui devo confessar uma coisa: não sei andar de salto. Devido a uma série de circunstâncias que envolveram desde dores nas costas até cinco anos de namorado quase mais baixo do que eu, acabei não desenvolvendo as habilidades femininas de se equilibrar em cima de um salto.

Andar de saltos altos está na natureza feminina. Ou não.

Mas depois de treinar algumas vezes em casa (vezes nas quais eu me sentia uma verdadeira Mulher-Gato em cima de salto agulha, pronta para arrasar), resolvi que já tinha skills suficientes para enfrentar o shopping. Resultado: de Mulher-Gato passei a me sentir a Mulher-Pato, meus pés suavam feito duas bicas e me faziam escorregar dentro das sandálias e sabe aquela poeira da rua que entra debaixo do seu pé e vira sujeira? Viraram verdadeiras pedrinhas que ficaram se esfregando nos meus já espremidos dedinhos, quase cortando a pele. Uma verdadeira tortura medieval, eu diria.

Sei não... Tenho minhas dúvidas de qual método é mais cruel.

E, claro, quase morri. Já bem treinado, namorado só ri da minha cara (o que acho uma injustiça, uma vez que eu estava quase morrendo para tentar ficar mais bonita para ele). Depois que eu desisti de bancar a Mamãe Ganso e resolvi tirar as sandálias ali no meio do shopping, mesmo (e comprar o primeiro par de chinelos baratinhos para não machucar os pés já feridos), voltamos para casa e eu me joguei na cama com os pés para cima.

Namorado quieto. Eu de pés inchados. Namorado resmunga. O que foi, dessa vez?
- Por que você resolveu pôr essas sandálias se sabia que iam machucar?
Nesse momento quase comecei um discurso sobre a sociedade machista e como ela obriga as mulheres a se infligirem os mais diferentes tipos de tortura para ficarem mais agradáveis ao sexo masculino, mas parei para pensar. Não, ele não havia me obrigado a usar as sandálias. Ele nem ao menos sabia que eu as havia contrabandeado na última visita à casa dos meus pais. Ele nunca deu a entender que gostaria que eu me vestisse de forma assim ou assado para ficar mais bonita para ele exibir.

Cheia de vergonha, admiti. Eu decidira colocar as sandálias porque eu achava que ficava mais bonita com elas. Por mais que a sociedade machista diga que as mulheres devam estar sempre lindas e femininas a qualquer custo, quem insistiu em sofrer no alto daqueles dez centímetros fui eu.

Levantei para ir ao banheiro. Pés explodindo de dor. Sinto que vou morrer.

- Amor, se eu morrer...
- Já sei, já sei... Cremar, não enterrar...

E são apenas quatro meses.

4 comentários:

Caranguejo Excêntrico disse...

Saltos altos ficam muito melhor no Luís XIV do que eu mim ou em você. Prontofalei.
XD

Mariana disse...

Estou adorando esse blog. Somos muito parecidas em muuuitas coisas, Tati.

Parabéns pelo texto, mto gostoso de ler :)

Tatah Lopes disse...

Os textos da Tati são uma delícia de ler mesmo!
Não sei andar de salto. Vivo sendo pressionada até pelo meu pai para aprender. Ele não cansa de me dar sandálias de salto alto, finíssimos. Para agradar, usei uma vez no Shopping Iguatemi, aqui em Campinas. Ao entrar no Applebee's, não reparei a súbita mudança dos pisos (o chão do restaurante é de madeira lisa. Dei dois passos até virar o pé e ter que me jogar em uma mesa para não cair de cara no chão. Básico, a mesa estava ocupada por uma família cuja a filha adolescente era uma garota mesquinha que eu conhecia da época de fundamental. Entrei em pânico e estava esperando ser socorrida por minhas amigas (inclusive a Heloísa, que se estiver lendo isso, aceite o meu sincero VAI TOMAR NO MEIO DO SEU CU, mas as bonitas ao verem a minha queda, simplesmente fingiram que não me conheciam e continuaram a andar! E depois que eu me encontrei com as palhaças, elas riram! Aiaiai. Belas amigas eu tenho.

Gica disse...

Salto nunca combinou comigo e é algo que o Mauro prefere que eu não use, já que qualquer adição de centímetros à minha altura o faz perder as graças de se sentir o mais altão de todos com seus incríveis 1,77m. Mas fui teimosa e um dia comprei sapatos de salto lindíssimos da Melissa, além de - surpresa! - super confortáveis por serem providos de almofadinhas para diminuir a sensação de tortura. Não durou muito o meu entusiasmo, porém - só devo tê-lo usado umas duas, três vezes. Além de ser tão confortável que parecia me levar às nuvens (quase literalmente, pois o salto era bem alto), a única vantagem era poder arranjar uma desculpa para ficar agarradinha no namorado enquanto andamos (equilíbrio nunca foi o meu forte)! :P