terça-feira, 18 de outubro de 2011

De Frente ou De Lado?

Lembro-me de uma vez, há vários anos, ter assistido uma reportagem da TV (provavelmente no Fantástico ou outro programa de utilidades do gênero) em que um especialista em relacionamentos saía às ruas para avaliar o nível de entrosamento dos casais apenas pela observação.

Ora, não é necessário ser nenhum especialista para perceber quando um casal está bem entrosado ou não; risos, mãos dadas, olhares... tudo isso nos dá a dica, não? De acordo com o tal especialista, essas coisas até dão uma certa idéia, mas um detalhe é batata (alguém ainda usa essa gíria?): a disposição dos casais sentados em uma mesa. De acordo com ele, casais que se sentam lado a lado estão curtindo o maior love, enquanto casais que se sentam frente à frente estão com problemas no relacionamento. Simples assim.

Me lembrei disso na primeira vez em que o namorado me levou a um restaurante. Primeira vez saindo juntos para jantar, ainda não havíamos experimentado a dinâmica da disposição à mesa. Pensando no tal especialista, me sentei ao lado dele em uma mesa para quatro (ocupada apenas por nós dois). Resultado? Não conseguíamos conversar direito - uma vez que essa disposição dificulta o contato visual - e a comida que ia sendo servida sobre a mesa (era uma churrascaria) não ficava a uma distância favorável de nenhum de nós ("passa aquela picanha na sua frente, por favor?", "tó aqui a maminha que você pediu").

Depois de uns quinze minutos de frustração, namorado sugeriu o óbvio. "Por que você não senta na minha frente pra eu poder olhar pra você?". Além do cuidado com a escolha de palavras ("para eu poder olhar pra você" e não "porque foi uma idéia de jerico sentar do meu lado"), namorado jogou por terra a teoria do tal especialista. Tudo bem, sentar lado a lado é bom para quando você quer ficar abraçadinho observando a luz do luar (o que - exceto pela parte do luar - aconteceu quando o jantar terminou), mas na hora de comer o que você quer mesmo é olhar nos olhos da outra pessoa, observá-la comendo (existe algo de sensual em ver outra pessoa comendo, já notaram?) e ter as laterais livres para poder se movimentar, servir a comida e - porque é pra isso que estamos lá - comer. E isso não tem nada a ver com o nível de entrosamento entro o casal.

Certo, mas e quando sairmos com outras pessoas? Com outro casal, por exemplo, faremos um swing e cada um senta de frente para o próprio par e ao lado do par do outro? Mais uma vez o namorado - em sua sabedoria imensa - deu a solução: "Quando sairmos só nós dois, sentamos frente à frente. Se tiver mais gente, lado a lado".  Pronto. Simples, prático e muito mais inteligente.

Mas e quanto àqueles casais que, mesmo estando apenas a dois, sentam-se lado a lado? Oras, problema deles! Assim como cada pessoa, cada casal tem a sua dinâmica e funciona melhor de um jeito - e por mais que algumas semelhanças possam existir, é impossível criar uma lei universal que dite como todos os casais devam agir para serem felizes. E ninguém precisa ser um especialista do Fantástico para saber disso.

4 comentários:

Andressa Serena disse...

Tati!

Quando eu comecei a ler o texto,juro que fiquei com medinho: "será que eu e meu namorado temos problemas de relacionamento desde o começo do nosso namoro então?!" porque confesso que SEMPRE sentamos um de frente para o outro, justamente para conseguir olhar um para a expressão do outro enquanto conversamos! Ufa, que alívio! (hahaha!)

Você muda de blog igual muda de calcinha, parece eu, mulher. (!) Mas nesse aqui, amei o título e amei o layout... Lindo!

Um beijo, sua danada.

Caranguejo Excêntrico disse...

Bah. Nunca confie em quem acredita que existe receita pra um relacionamento dar certo. Na maioria das vezes são pessoas frustradas que colocaram expectativas demais em situações onde o melhor a se fazer é deixar as coisas rolarem.
:P

Erik Scott disse...

kkkkkkkkkkkkkk.... adorei o toque de humor apimentado!
Mas sobre relacionamentos já nem posso falar muito... não é bem minha área.

Gica disse...

Minha irmã tinha um livro que dizia decifrar pessoas. Eu o li anos atrás, particularmente curiosa sobre como alguém pode saber tanto de tantas pessoas só de olhar pra elas. Eu o terminei achando aquilo a coisa mais besta do universo. Acho engraçada essa ânsia por padrões que a gente tem, além de ir de leve a fortemente irritante em alguns casos. Bestinha, até. Mas tudo bem. Rir é bom. :P